Cerveja: uma história

malte

Por: M.e Paulo Barbetta

A arte de produzir cervejas é mais antiga do que se pensa. Existem relatos que citam o surgimento da cerveja a aproximadamente 10.000 anos. Enquanto relatos indicam que a bebida surgiu seguindo a mesma linha do surgimento do pão, há relatos que o surgimento se deu em jarros de barro que armazenavam cereais, e que por ação de leveduras selvagens, deu origem a uma bebida que se diferenciava de todas conhecidas anteriormente.

Produzir uma cerveja de qualidade pode ser mais fácil do que se imagina. Existem atualmente equipamentos que produzem o mosto automaticamente – e o cervejeiro se dá ao trabalho de formular a receita e adicionar a levedura que irá fermentar os açúcares produzindo alcoóis e dióxido de carbono. Entender as rotas metabólicas é um passo que o cervejeiro iniciante irá observar mais adiante. No presente momento é importante entender que o açúcar extraído dos cereais maltados é solubilizado em água, dando origem ao que chamamos de mosto.

A fonte de carboidratos que deu origem à bebida ao longo de sua história ao redor do mundo diferencia-se de acordo com a disponibilidade de cereais na região. Enquanto que na região central da América as cervejas tinham como substrato o milho, na região mais oriental o substrato era o arroz. Outras fontes de carboidratos deram origem a diferentes cervejas ao redor do mundo (Tabela 1).

CERVEJA ORIGEM DESCRIÇÃO
Aca Peru Cerveja de milho
Algorobo Central & América do S. Cerveja aromatizada com alfarroba
Basi Filipinas Fermentado de cana-de-açúcar e ervas
Bilbil Antigo Egito Cerveja de sorgo
Bi-se-bar Antiga Suméria Cerveja de cevada
Boza Egito antigo & Babilônia Cerveja de milheto
Chi Índia Cerveja de milheto
Chicha Peru Cerveja de milheto com frutas
Chiu China Cerveja de trigo
Dolo África Cerveja de milheto com ervas de amargor
Kaffir beer África Cerveja de sorgo
Korma Egito antigo Cerveja de cevada com gengibre
Kurunnu Babilônia antiga Cerveja de trigo
Manioc beer Amazônia Extrato fermentado de maniçoba
Okelehao Hawaii Extrato fermentado da raiz de Ti
Pachwai Índia Cerveja de arroz adicionada de extrato de cânhamo
Pombe África Cerveja de sorgo saborizada com suco de banana e várias ervas
Sango-lo China Cerveja de arroz
Shimeyane África do S. Extrato fermentado de milho malteado, pão integral e açúcar mascavo.
Tiswin América do N. Extrato fermentado de milho e trigo saborizado com “Jimson”

(BOULTON; QUAIN, 2006).

E por quê a cerveja é atualmente conhecida pelo malte de cevada e não por maltes de outros cereais?

Inconfundivelmente, a Alemanha é conhecida por excelentes cervejas, e mesmo após observar que na verdade a cerveja não foi necessariamente produzida sempre com malte de cevada, por questões político-econômicas ficou decidido que o trigo deveria dar origem ao pão, para alimentar a população, enquanto que a cevada, fonte de amido menos nobre, deveria dar origem a cervejas. Talvez por isso a cerveja tenha se popularizado da forma que é hoje.

A maioria dos países tem uma definição legal do que é uma cerveja, que pode ser específica com relação aos insumos de produção, ou vaga, o que permite a utilização de diversos substratos. A lei inglesa é pouca específica para cervejas produzidas em solo britânico, embora na Alemanha, a lei foi extremamente distinta com relação ao que pode e ao que não pode ser adicionado à bebida. Atualmente, a formação da União Européia permite menor especificidade aos itens utilizados para formação do mosto com relação ao que se tinha regulamentando o mercado anteriormente.

Apesar da Reinheitsgebot, ou lei da pureza alemã ser mundialmente conhecida, muitas outras lei surgiram previamente e regulavam o que era e o que não era cerveja. Uma lei anterior à famosa lei alemã determinava que cervejas ruins deveriam ser doadas aos pobres, ou então simplesmente descartadas, algo impensável nos dias atuais.

A legislação brasileira não é estrita com relação aos insumos de produção. Ela não é específica com relação aos estilos, mas sim com relação aos tipos de fermentação (lager ou ale). Isso pode ser visto de uma lado ruim, porque permite que cervejas produzidas em escala não tenham o mesmo sabor de uma cerveja artesanal, mas pode ser vista como um ponto positivo: cervejas artesanais carregam consigo um mundo de sabores e aromas.

Este texto é considerado um texto simples e de início para aprofundar seu conhecimento no mundo das cervejas. Procure saber mais sobre os temas abordados aqui como o surgimento das primeiras cervejas, fontes de carboidrato, lei da pureza alemã e leis em todo o mundo e torne-se você também um amante e um disseminador do conhecimento cervejeiro.

COMENTÁRIOS 0 comentários